Busca avançada

Entrevista com Rafael Lagos, Game Designer e palestrante do 4º RecrutaTech

segunda-feira, 13 de agosto de 2018 por Yasmin Coelho de Santana
Entrevista com Rafael Lagos, Game Designer e palestrante do 4º RecrutaTech

Quem aqui gosta de jogar? Seja no pc, nos consoles de video game ou no celular, os jogos hoje atingem uma parte considerável da população. Seja um jogo complexo, com uma história bem desenvolvida, personagens construídos e que marcam gerações, ou jogos mais simples (para o usuário), para passar o tempo. A verdade é que a indústria de jogos está crescendo e se desenvolvendo cada vez mais.

Eu aposto que muitos dos amantes dos jogos, já pensaram em trabalhar com isso. Mas se você ainda tem algum pé atrás de entrar nessa área, vem dar uma olhada nesse bate-papo com o Rafael Lagos, Game Design na Freddy Bear:

Como você conheceu o portal Curitiba TI e o RecrutaTech?

Por meio da rede de contatos. Um conhecido já havia participado e me convidou para participar também.
 
Como você enxerga a importância do evento para o público que quer participar?

Eventos desta natureza podem ser um bom ponto de partida para conhecer um pouco de uma área qualquer ou, ainda, um novo ponto de vista sobre um assunto qualquer.
 
Você indica a trilha de carreira, na qual você será palestrante, para que tipo de público?

Programadores e outros profissionais que queiram ingressar em uma área de desenvolvimento de jogos principalmente.
 
Falando um pouco mais sobre a sua palestra, você pode dar um pequeno spoiler dela?

Claro 😉 Sempre que o pessoal pergunta sobre jogos, aparece o sobrinho de alguém que, muito maroto, consegue fazer joguinhos no pc, como ninguém. A minha palestra é um crash course (curso relâmpago) de como pelo menos entender os elementos macro que influenciam na criação de um jogo.
 
Hoje você trabalha como Designer de Games na Freddy Bear, certo? Quais são as atividades de um Designer de Games e o que te levou a se tornar um?

A skill mais importante, que eu aprendi a duras penas e que hoje trago comigo e sempre que posso passo para os demais, é a skill de OUVIR. O jogo, apesar de partir do game designer quase sempre, é algo colaborativo e, como vocês devem saber, todo mundo tem ideias. Então, por que não trazer todas elas para o jogo e deixar ele ainda melhor?

Assim, ser um game designer é conversar com clientes para entender a necessidade deste para montar o jogo e qual objetivo quer ser atingido com o jogo; além disto, a base essencial do trabalho do game designer é gerar documentação para as outras áreas poderem entender o jogo além de, claro, fazer o follow-up com estas áreas para ver a quantas anda o projeto. Testar o jogo constantemente procurando erros; balancear o jogo (deixa-lo “justo”); fazer o desenvolvimento de fases, e por aí vai.

Particularmente, eu entrei nesta por um gosto absurdo por jogos, por ter pensado em como seria o jogo dos filmes que eu assistia quando pequeno, passando pela árdua tarefa de ser mestre de rpg até, finalmente, criar meu próprio livro e ingressar na área de programação, o que culminou com meu trabalho na Techfront onde me descobri como game designer.
 
Muitas pessoas acham que criar um Game é só sentar e programar um jogo, é isso mesmo? como funciona?

Da mesma forma que fazer um app não é sair no melhor estilo “go horse” programando, o jogo precisa de um planejamento mínimo de escopo, interações, requerimentos específicos de interface e tantas outras necessidades mais complexas. Assim, obviamente, monta-se um projetinho, conhecido como GDD ou game design document, e só então iniciamos o projeto de desenvolvimento.

Que conselho você daria para quem quer entrar nessa área?

Primeiramente, goste de jogos. Instrução formal ajuda, mas não é essencial se a pessoa tiver habilidades de ser um autodidata. Depois disto, participar de jams e sair fazendo jogos (sempre pequenos) para pegar experiência.

Que conselho você pode dar para o pessoal que está indeciso sobre participar do evento?

Só vem cara! Vai ser legal e, no mínimo, você vai dar muita risada comigo 😊

E pra quem já está inscrito no evento, você tem alguma dica do que o pessoal deve fazer lá dentro?

Ouça tudo que puder, pergunte tudo que achar pertinente e alargue seus horizontes, nada de ficar parado no tempo e no espaço!

O Rafael é um dos palestrantes da trilha de carreira já confirmados no RecrutaTech! Saiba mais sobre a sua palestra e sobre o restante do evento acessando: http://bit.ly/RecrutaTech

 

Compartilhar

Yasmin Coelho de Santana
Autor
Yasmin Coelho de Santana

É formada em Comunicação Organizacional pela UTFPR e responsável pela Comunicação e Marketing no Portal Curitiba TI e da Code21, onde tem descoberto a cada dia uma crescente paixão pela área de tecnologia.