Busca avançada

Heurísticas de Nielsen: Parte 2

segunda-feira, 25 de março de 2019 por Jefferson Silva
Heurísticas de Nielsen: Parte 2

Dando continuidade ao artigo anterior: Heurísticas de Nielsen: Parte 1. Vou abordar as outras cinco heurísticas de Jakob Nielsen, um dos mais notáveis quando o assunto é usabilidade.  

6.    Reconhecimento x memorização

O cérebro humano é muito eficaz quando o assunto é reconhecimento de padrões, porém é pouco constante no que se refere a memorização, principalmente levando em conta a quantidade massiva de informações as quais somos expostos diariamente.

Com isso em mente, adotar um padrão de navegação no seu sistema, como o breadcrumb por exemplo, é muito mais assertivo do que esperar que o usuário memorize todos os caminhos para chegar na informação desejada.

 
Figura 1 - Breadcrumb da Kabum

7.    Flexibilidade e eficiência de uso

O sistema deve estar preparado para lidar com usuários de todos os níveis de conhecimento de uso. Logo, é necessário deixar as funcionalidades básicas destacadas para usuários iniciantes e permitir o uso de atalhos ou recursos mais avançados para usuários mais experientes. 

Exemplos nessa linha são aplicativos de música e/ou vídeo que que permitem que o usuário mais básico avance ou retorne uma faixa através dos botões de navegação clássicos, porém também possuem recursos para mudar a faixa através do fone, com botões dedicados para esse fim, ou através de movimentos específicos do aparelho, como “chacoalhar” o dispositivo para ativar o modo aleatório (muito comum em dispositivos apple).

8.    Estética e design minimalista

Aqui se aplica a velha máxima do “menos é mais”. A informação sempre deve estar acessível ao usuário, porém visível somente quando a mesma for relevante. Encher a tela de informação polui a interface, prejudica a usabilidade e pode deixar o usuário confuso no início.

Alguns aplicativos de banco utilizam bem essa heurística. No aplicativo do Itaú, na área de finanças, eu consigo visualizar as principais movimentações da conta de forma geral, com valores agrupados, e caso seja necessário posso expandir a área desejada para analisar em mais detalhes. 


 
Figura 2 - Aplicativo Itaú com informações agrupadas por área e botão para mais detalhes

9.    Ajude os usuários a reconhecerem, diagnosticarem e recuperarem-se de erros

A quinta heurística, citada na parte 1 dessa série, trata da prevenção de erros, porém inevitavelmente uma hora um erro acontece por parte do usuário, seja por descuido ou falta de conhecimento do sistema. E isso é esperado, afinal todos estamos sujeitos a cometer erros. 

Independente de qual seja a causa, devemos sinalizar de forma clara e objetiva para o usuário onde ele errou, qual foi o erro e como ele deve proceder para corrigi-lo.