Busca avançada

Leis de UX - Parte 2

quinta-feira, 9 de maio de 2019 por Jefferson Silva
Leis de UX - Parte 2

Em outro artigo abordei 5 leis de UX que, se bem aplicadas, podem impactar positivamente na experiência do usuário. Dando continuidade, descreverei outras 5 leis de UX dando um foco especial às leis da Gestalt.

Uma referência na área, que trata do estudo da percepção humana das formas, as leis da Gestalt são frutos do trabalho dos psicólogos: Max Wertheimer, Kurt Koffka, Kurt Lewin e Wolfgang Köhler.

Lei da região comum

Cuidados na composição. Elementos tendem a ser percebidos em grupos quando compartilham áreas bem delimitadas. Utilizando esse conceito podemos criar unidades visuais e destacar grupos dos elementos ao seu redor, criando assim interfaces mais intuitivas.

 

Figura 1 – Percepção dos elementos DOGS, CATS e BIRDS agrupados em um bloco e destacados dos objetos ao redor

 

Lei da pregnância

Menos é mais. Por padrão, o cérebro humano inclina-se a simplificar ao máximo qualquer estimulo visual, a fim de economizar esforço cognitivo

Em vista disso, transmitir uma mensagem de forma simples pode ter melhores resultados do que investir em elementos visuais complexos.

 
Figura 2 – Conciso, elegante e objetivo

 

Lei de proximidade

Unir para fortalecer. Enquanto a lei da região comum descreve a percepção de agrupamento com base em áreas bem delimitadas, a lei de proximidade, como o nome sugere, aponta para a percepção de agrupamento com base na proximidade dos componentes.

 
Figura 3 – Grupos do menu e indicadores de tela, ambos com elementos “filhos” visualmente próximos e percebidos de forma agrupada.

 

Lei de similaridade

Consistência sempre. A semelhança visual é outro dos comportamentos que geram a noção de agrupamento. Mas nesse caso, é interessante pensar no conceito de continuidade. 

Quando, por exemplo, a tipografia, as cores, a iconografia ou a composição das telas de uma aplicação segue um padrão estético, o esforço cognitivo para interpretação diminui e isso gera uma naturalidade maior de uso. 

 
Figura 4 – No material design temos a opção de escolher entre  ícones preenchidos ou apenas contorno. A escolha por um dos estilos gera uma identidade mais consistente do que misturar os dois. 

 

Lei de continuidade

Direcione utilizando continuidade. Essa lei indica que a fluidez gradativa na composição, utilizando linhas, formas, cores, entre outros recursos, gera uma experiência mais prazerosa aos olhos e aumenta a percepção de sequência na disposição dos elementos. 

 
Figura 5 – Continuidade utilizando formas e cores indicando um trajeto.

 

Nesse artigo vimos outras 5 leis de UX, dando um foco especial em algumas leis da Gestalt. Perdeu a primeira parte dessa série? Leia a parte 1 dos princípios de UX

Quer aprender sobre usabilidade? Apreoveita e dá uma olhada nos textos que eu preparei falando sobre as Heurísticas de Nielsen

Referências

Laws of UX: https://lawsofux.com/
Gestalt Principles of Perception: https://bit.ly/2GRDLaX
Visual Perception and the Principles of Gestalt: https://bit.ly/1svCxty

Compartilhar